segunda-feira, 28 de maio de 2012

And now... what?

A mente surge vazia... não que o esteja, há lá coisas dentro, mas surge-me vazia. Não quer mergulhar profundo como de costume, tem medo. Tem daquele medo que nunca tem, que anda sempre a dizer que nunca tem, que é o de mergulhar profundo. Porque quando mergulha profundo, ouve palavras horríveis... não a seu respeito, mas a respeito de quem não quer odiar, mas odeia... e esforça-se por compreender o lado de lá, mas sente a desarmonia... uma mente que sempre nadou como uma sereia... é agora desafiada a caminhar pelos trilhos do limite... uma voz ergue-se e diz: o Amor vencerá. Basta amar... mas amar às vezes é tão difícil... às vezes para amar é preciso odiar primeiro... mas porquê? Parecia tudo errado, aos demais parece tudo errado... mas mesmo assim o meu coração diz estar certo... e já que ninguém acredita no coração, pois pasme-se; a realidade diz o mesmo...

Amor e ódio... duas faces da mesma moeda... quanto maior o amor, maior o ódio... e quanto maior o ódio, maior o amor depois... só se odeia aquilo que se ama...

Estou tão cansada... como queria ver a paisagem ao cimo da subida, no topo da colina... sei que é bela, disseram-me que era, mais que isso, sinto que é bela!! Mas preciso vê-la...

Ou acabarei como os demais... a duvidar sem sequer ter visto ainda o que quer que fosse... (21/06/2010)

4 comentários:

tétisq disse...

A mente nunca está vazia...neste caso estava cheia de coisas interessantes!*

Nina Porcelain Lennitta disse...

:) És uma kida! É raro acontecer-me, mas por mais interessantes que sejam as coisas vagueando pela mente, por vezes há algumas menos agradáveis e por mais que eu até queira olhá-las de frente, parece haver um muro que se ergue... que me tenta proteger da realidade!

Képia disse...

é isso que tanta vez eu não fiz!!!!

Nina Porcelain Lennitta disse...

Deixa lá... se tiveres de fazer, fa-lo-ás, no seu devido tempo...